Procurar:

Sobre as emoções que amparam o fracasso

Share it Please


À pergunta "gostas de fracassar?" a resposta impulsiva e automática é "não, não gosto de fracassar". Insistamos com o entrevistado "mas entãoporque não gostas de fracassar?", e contemplemos com surpresa como muda de assunto: "não gosto de fracassar por fracassar faz-me sentir mal".

Há qualquer coisa de confuso nesta história. Fracassar é uma consequência de um processo (situação B) cíclico, cuja engrenagem não contempla sentimentos. Os sentimentos que o fracasso gera são marginais ao processo e têm uma índole cultural: pode ser vergonha, pode ser dor, pode ser raiva, pode ser angústia, pode ser desespero, pode ser tudo o que uma mente fragilizada é capaz de sentir. 

Com o fracasso bifurcam-se os caminhos: por um lado somos convidados a concentrar energias na aprendizagem que lhe sucede (preservando o processo); mas por outro lado somos impelidos pela nossa personalidade a gastar energias no processar sentimentalmente o sentido do fracasso.

Sempre que dedicamos mais energias à aferição emocional de uma experiência de fracasso, quebramos a engrenagem que nos permite ousar, crescer, aprender, transformando-a numa rua sem saída (situação A), num guetto sentimental depressivo e fim de linha.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...