Procurar:

Sobre a postura ética irrepreensível

Share it Please

 

image

Mais cedo se badalava a polémica do copianço nos exames dos futuros magistrados e menos tardio era este texto escrito, pois existir era uma questão de tempo. Pensara em abordar a questão da ética irrepreensível exigida em alguns anúncios de emprego como um requisito solitário, mas a recente polémica vem mesmo a calhar, somando pertinência ao que já tinha planeado reflectir neste texto.

Tendo estado calhado a contactar com anúncios de emprego, folguei em saber que em alguns deles o candidato ideal deve garantir um sentido e postura ética irrepreensíveis. Uau, exclamaria eu, não fosse achar que ética irrepreensível não é requisito específico, é requisito geral, pois não passa pela cabeça de nenhum empregador honesto admitir gente de ética duvidosa, nem mesmo de ética questionável a priori.

Ética irrepreensível parece ser um reduto que foi criado para contornar a questão de o empregador considerar avisado vincar bem esse requisito, não vão algum desonesto arriscar uma candidatura.

Folgo também em saber que a palavra ética ainda pertence ao campo lexical português e que não pertence ao inferiorizado e desprezado reino da filosofia.

Até que é notícia a fraude nos exames dos magistrados, e todos queremos ver rolar cabeças, porque um juiz é um juiz, querendo isto dizer que um juiz deve ter uma postura ética irrepreensível.

A fraude no exame dá ao prevaricador uma nota fraca, que ainda assim lhe permite progredir, o que significa que nada detém a postura ética repreensível de progredir e fazer escola. Quem faz barulho para acusar é puritano, pois quem nunca copiou que atire a primeira pedra.

O problema é que há gente que nunca copiou e que pode, senão mesmo deve, atirar a primeira, a segunda e a terceira pedra, até esta pedra estilhace os telhados vidros dos que fazem da fraude estilo de vida. Fará figura de betinho, de menino que nunca soube o que era o mundo selvagem lá fora, mas não privará muitos de sentirem na pele temor e desconforto em doses que dependem da auto-estima de cada um.

Anda muita gente enganada, na sociedade. Gerações de enganados aprenderam a viver no engano, a convencer-se de que o resultado final prevalece sempre à travessia dos desafios que a vida vai impondo, e que à revelia do certo e do errado se consegue eternamente garantir a sobrevivência e o sucesso, até.

Até que começam a ver-se requisitos como postura ética irrepreensível, e povos a recusar colaborar connosco, quer seja financeiramente como de outras formas. Começam os credores estrangeiros ou éticos a mostrar que é finito o número de vezes que os engamos prometendo que será desta que deixaremos os vícios (de auto-estradas ou cigarros) e nos disciplinaremos, nos regraremos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...