Procurar:

Sobre a autoanálise do que somos enquanto sociedade e indivíduos

Share it Please

Quando se olha para trás no tempo e se observam determinados traços de mentalidade que caracterizaram sociedades e diferentes povos do passado, podemos constatar como certas crenças, medos e convicções circunstanciais nos parecem hoje perfeitamente injustificados, absurdos ou surreais.
Com um ponto de partida destes, não é difícil achar que fomos evoluindo para estágios substancialmente melhores a ponto de sermos no presente a sociedade mais esclarecida, evoluída e sofisticada que jamais existiu. Todos os dias esticamos um pouco mais esta fasquia evolutiva.

Tenhamos, no entanto, uma indubitável e pragmática certeza, um dia olharão para nós uns olhos que chegarão do que para nós é hoje a escuridão do futuro, e a boca correspondente a esses olhos quererá rir-se do que estes permitirão sentir a nosso a respeito. Rir-se-ão quiçá de nós pelo nossa crendice no dinheiro como hoje nos rimos da crendice de nossos antepassados de que rezar poderia trazer a chuva. Rir-se-ão, quem sabe, do modo como nos fazemos pindéricos e básicos na nossa procura pela sofisticação tão baseado em coleccionar dispositivos electrónicos atrás de dispositivos electrónicos. Rir-se-ão do nosso exagero a comprar e usar roupa e adereços , com nos rimos hoje das calças à boca de sino ou de antigamente só se sair à rua de fato e chapéu.

Não nos devemos envergonhar ao ponto de estagnação. Talvez nem nos devemos envergonhar de todo. Porém, serve esta perspectiva registar que poderemos hoje ser o melhor que já existiu, mas que tal como todos os melhores que foram existindo antigamente, existem defeitos, incoerências, excessos que nos caracterizam. Cabe a cada um de nós antever qual o motivo e característica pelos quais seremos lembrados enquanto sociedade, e talvez fazer o mesmo exercício a nível pessoal: daqui a 3 gerações o que nos apontarão aqueles que se lembrarem de nós e quiserem saber quem fomos, de que modo fomos e o que fizemos com a nossa vida.

Não julgo que seja assim tão difícil perceber onde se situam os traços que caracterizarão a nossa sociedade. Receio que não consigamos ainda rir desses próprios traços, mas na qualidade de seres ex libris da evolução, pelo menos à data do presente, é um exercício superior caricaturarmo-nos de livre vontade e genuíno interesse. Ao fazê-lo estaremos a antecipar qual o rumo do dia de amanhã e de que modo poderemos influenciar a nossa evolução, dentro daquilo que esta permite influenciar, obviamente.

Sejamos humildes e tenhamos a pedagógica modéstia de perceber: certos traços de hoje serão vistos como cómicos excessos equivalentes aos fatos e chapéus ou às rezas por chuva. E isto, senhores, dá que pensar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...