Procurar:

Sobre o cupido, o amor, e o acreditar

Share it Please

"Cupid with his bow and arrows" - Cristoforo Roncalli, Il Pomarancio



Aqui que ninguém me ouve, nunca fui um grande fã dessa entidade que é o cupido. Terceirizar a responsabilidade por sentimentos parece-me excessivamente redutor para a condição humana. Se há alguém que dispara setas de amor e ódio esse alguém não é alado: somos nós.

Acredito cegamente (palavra que gostam de casar com amor) que o amor é um ato de fé. Será mágico se acreditares que é mágico, será revigorante se acreditares que é revigorante, será trágico, se acreditares na sua tragédia que te vai provocar. Ao dizer-se um ato de fé, que não se pense que nos isenta de responsabilidade, antes pelo contrário, mora em cada um de nós essa capacidade para acreditar, a capacidade para ter fé no amor.

Só aquele acredita em si, na vida que tem, e no mundo que lhe é dado viver, pode fazer a descoberta do amor genuíno, esse que nos liga ao mundo, e a alguém em particular, segundo uma pauta de absoluta harmonia. Harmonia para com a outra pessoa, harmonia para com o nosso interior espiritual, harmonia para com o mundo.

Há pois que viver o amor em primeira pessoa, chamá-lo a nós e responsabilizarmo-nos pelo acreditar que ele requer. É como uma chama olímpica que precisa de ser preservada dentro de nós como garantia de que há vida em nós, no outro, e no mundo que rodeia ambos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...